Resenhas

51ZyrNCc20L._SX319_BO1,204,203,200_

RESENHA CRÍTICA: A SHORT HISTORY OF TRUTH : CONSOLATIONS FOR A POST TRUTH WORLD

EDOMM HEZROM DA HORA DE DEUS SOUZA

BAGGINI, Julian. A short history of truth: consolations for a Post Truth World.  1st Edition, Publisher Quercus ,2017.

Julian Baggini nasceu no Reino Unido em 1968. É doutor em filosofia pela universidade de Londres. É um dos jovens filósofos com maior projeção. Colabora com o jornal The Guardian, The independente, The Observer e Radio 4, também em revistas como Psychologies e Prospect, e publica semanalmente na coluna do The Herald . É co-fundador da revista trimestrais The Philosopher’s Magazine. Autor de uma séries de livros entre os quais se destacam “ O porco que queria ser presunto” e “Penso, logo existo?  Conforme Julian, todos nós temos a sensação de que a verdade é algo essencial para se viver bem. Se sua vida foi revelado ter sido construída em nada a não ser mentiras, é como se ela não fosse real.

Paris é a capital da França, George Whashington foi o primeiro presidente dos Estados Unidos, a água é H2O… Há inúmeras verdades como essas, que apenas idiotas ou acadêmicos obtusos negaria. Julian acredita que a verdade deixou de ser claro ou simples. De fato, não é incomum ouvir de pessoas negar que existe tal coisa como a verdade, enfim, apenas opiniões: o que é verdadeiro para você e o que é verdadeiro para mim. O problema não é que não possamos entender adequadamente o que significa a “verdade”. Para fins práticos, é difícil melhorar a definição de Aristóteles: “dizer do que é, que é, e do que não é, que não é, é verdadeiro; dizer do que é, que não é, e do que não é, que é, é o falso.”

Se isso parecer óbvio, talvez seja porque não há nada de misterioso sobre o sentido comum da verdade. Nosso problema não é principalmente com o que a verdade significa, mas como e por quem a verdade é estabelecida. A verdade costumava parecer simples, porque era fácil assumir que a maioria do que pensávamos ser verdade era realmente verdade, que as coisas eram como pareciam, que a sabedoria transmitida pelas gerações era intemporal.

O mundo não está pronto nem disposto a despedir-se da verdade- mesmo na política. Essa simplicidade foi corroída por uma variedade de forças diferentes. A ciência nos mostra que muito do que pensamos sobre o funcionamento do mundo é falso e que até estamos confusos com o funcionamento de nossas próprias mentes. O ritmo de seu desenvolvimento nos deixou questionando se a ortodoxia de hoje será a falácia ultrapassada de amanhã. A abertura das sociedades democráticas também permitiu à impressa livre expor mais e mais do que se passa nos corredores do poder, tornando-nos mais conscientes das maneiras pelas quais somos enganados. A verdade tornou-se muito menos clara e simples, mas não vejo evidencias de que a maioria das pessoas tenha deixado de acreditar nela. As pessoas permanecem tão indignadas com as mentiras como elas sempre foram.  Os filósofos pós modernistas podem resistir a linguagem da verdade nos seminários, mas eles morderão suas línguas ao ter que jurar, em uma corte, dizer a verdade, toda verdade, e nada mais do que a verdade, para defender eles mesmos, sabendo muito bem o que isso significa e porque é importante. É por isso que falar de uma sociedade “pós verdade” é um equívoco. Nós não estaríamos falando de pós-verdade se não pensássemos que a verdade importasse. O mundo não está pronto nem disposto a despedir-se da verdade, mesmo na política, onde , às vezes, parece que já se despediu. O antídoto não é um retorno ao conforto de verdades simples. O autor comenta, citando Bernard –Henri Lévy que as pessoas escutam cada vez menos à política e elas parecem menos preocupadas se os candidatos estão ou não falando a verdade ou não.

          Julian aponta que para reconstruir a crença no poder e no valor da verdade, não podemos esquivar sua complexidade. As verdades podem ser muitas vezes difíceis de entender, descobrir, explicar e verificar. Elas são incrivelmente fáceis de esconder, distorcer, abusar e torcer. Muitas vezes não podemos reivindicar saber com certeza saber a verdade. Precisamos fazer um inventário dos vários tipos de verdades reais e supostamente existentes, e entender como testar a sua autenticidade. Para Julian, o correto seria falar não em era da pós verdade, mas em um momento temporário de pós verdade, um tipo de convulsão cultural nascida do desespero que irá ceder , em algum momento, a uma certa medida de esperança. Julia diz que podemos nos proteger contra o uso errado do termo pós verdade, e ver que essa afirmação, de que vivemos nessa era, é a mais perniciosa inverdade de todas. Isso serve aos interesses daqueles que mais temem à verdade, clara e simples ou não. O autor conclui que para estabelecer a verdade é necessário virtudes epistêmicas, como modéstia, ceticismo, mente aberta a outras perspectivas, um espirito coletivo de investigação, disposição para confrontar os poderes, um desejo de criar verdades melhores, disposição de ter nossa mora guiada por fatos. Estas virtudes epistêmicas tornaram-se menos evidente no mundo da pós verdade, enquanto que seus vícios correspondentes tornaram-se mais comuns: excesso de confiança, cinismo, mente fechada, individualismo excessivo, passividade perante o poder, perda da crença de se criar melhores verdades, morais guiadas por instintos divorciadas da mente. O nosso maior consolo no mundo da pós verdade é que apesar de tudo isso, as virtudes epistêmicas não tem sido totalmente e explicitamente rejeitadas nem os vícios abraçados, abertamente. A maioria de nós ainda valoriza o que o falecido Bernard Wiliams idenfitcou como as duas chaves da virtude da verdade: sinceridade e exatidão. Esta duas virtudes sugerem o caminho no qual a verdade requer o relacionamento correto entre aqueles que buscam a verdade e o mundo: para ter os fatos certos precisamos ter a atitude, em relação aos fatos, certa.
Anúncios

Posts Recentes

Capítulo 28:18-20

A grande comissão 

Quero refletir sobre a grande comissão .  Mas sinto que é preciso começar refletindo sobre a grande omissão. Estamos, aos poucos, deixando de fazer o principal porque temos  concentrado os nossos esforços no trivial.  Fazer discípulos ou fazer missões virou um departamento da igreja, algo que os evangelistas e missionários devem fazer. Um crítico disse: ” o estado da igreja é de sentar , chorar e morrer.

Sei que as críticas são ácidas, mas está claro como a luz do dia que  igreja de hoje se parece mais com um clube social do que com um bote salva vidas. Nos transformamos em membros desse um clube que pagam um líder para que ele, e não nós, faça o evangelismo. E este líder precisa ter um bom curriculum , caso contrário a igreja não o aceitará. Continuar lendo

  1. Capítulo 1 1 Resposta
  2. Capítulo 2 Deixe uma resposta
  3. Capítulo 1 1 Resposta
  4. Capítulo 2 1 Resposta
  5. Capítulo 3 Deixe uma resposta
  6. Capítulo 4 Deixe uma resposta
  7. Capítulo 5 Deixe uma resposta